Em um processo traumático e de dor crônica, como nosso corpo vivencia internamente ou subjetivamente esta questão? Será que uma parte de nossa